Cobertura

A História da Educação Física no Brasil

Dos índios e portugueses até os dias de hoje, conheça a evolução da Educação Física no país

A história da Educação Física no Brasil tem os seus primeiros registros em 1500. Confira nesta matéria a evolução da prática esportiva no país!

Terra à vista

Quando os portugueses chegaram em terras brasileiras encontraram índios que dançavam, saltavam, caçavam com arco e flecha e nadavam. Eram exercícios, em sua maioria, naturais e necessários para sua sobrevivência, mas também haviam práticas ligadas à cultura indígena como jogos de peteca, corrida e lutas – primeiras manifestações do que, mais tarde, se nomeou Educação Física. Clique aqui e confira algumas atividades tradicionais de comunidades indígenas que podem ser ensinadas na aula de Educação Física.

Chegam os jesuítas

Com a chegada dos jesuítas, a Educação Física começou a ganhar contornos mais definidos. De acordo com a pesquisadora e professora Paula Chiés, em seu estudo “Iluminando o corpo: As contribuições científicas ao conceito de corpo”, nas escolas fundadas pelos jesuítas os alunos participavam de brincadeiras e jogos, sendo estas consideradas as primeiras aulas de Educação Física em território brasileiro. Porém, a prática tinha apenas o objetivo de lazer e recreação.

Colônia x Império

Ainda durante o período colonial, com a vinda de negros escravizados para o Brasil, surge a capoeira, luta que utiliza o próprio corpo como instrumento e muito praticada até hoje. Na época, a elite acreditava que exercícios físicos eram uma atividade somente para escravos e que seus filhos deveriam se dedicar ao desenvolvimento intelectual. Foi somente no Brasil Império, em 1808 com a vinda da Corte Portuguesa, que se firmaram os primeiros tratados sobre a Educação Física no país. A educação e a saúde passaram a ser uma preocupação das elites e, neste contexto, os exercícios corporais se tornaram sinônimo de saúde física e mental. As escolas começaram, então, a incluir a ginástica em seus currículos.

Uma opinião de peso

A importância da Educação Física na formação dos brasileiros se consolida somente em 1882, com o parecer de Rui Barbosa sobre a “Reforma do Ensino Primário, Secundário e Superior”, no qual relatava o valor do desenvolvimento físico aliado ao mental nos países mais desenvolvidos e sugeria a obrigatoriedade da prática em todas as escolas e para ambos os gêneros, incluindo a Educação Física como matéria de estudo.

Século XX

A profissionalização da Educação Física aparece no Brasil República, com as escolas de Educação Física que tinham como objetivo principal a formação militar. Em 1930, com as reformas de Getúlio Vargas, a área ganha destaque nas políticas públicas com a criação do Ministério da Educação e Cultura (MEC). A Educação Física obrigatória em todos os níveis escolares foi uma das formas do governo promover hábitos higiênicos e de saúde entre a população. De acordo com Ramos, em “Exercícios Físicos na História e na Arte do Homem Primitivo aos nossos dias”, um passo decisivo na história da Educação Física no Brasil foi à fundação da Escola Nacional de Educação Física e Desportos em 1939, integrada a Universidade do Brasil com grandes conquistas no campo das atividades físicas.

No fim do século XIX, o esporte se revela como importante manifestação cultural. Enquanto no Brasil Imperial, a natação, a equitação e a esgrima eram as modalidades mais praticadas, o remo foi o principal esporte praticado no país até as primeiras décadas do século XX, quando foram introduzidas as modalidades de natação, basquete, tênis e futebol – populares até os dias de hoje.

Após a 2ª Guerra Mundial e durante a Ditadura Militar no Brasil, a Educação Física ganhou status de propaganda do governo e todo o ensino passou a ser direcionado para o rendimento esportivo e performance do atleta. O regime militar investiu em competições esportivas de alto nível, o que resultou em uma valorização do caráter tecnicista das práticas físicas.

Os tempos atuais

Após a abertura política, nos anos 1980, novas concepções surgem na área da Educação Física, principalmente a escolar, e o modelo mecanicista passa a ser questionado. Estudos sobre o desenvolvimento psicomotor da criança, transformam o ensino de Educação Física, que passa a considerar o todo – físico, social e emocional –  e o lado formativo do aluno.

Atualmente, diversas abordagens dividem espaço e se reconhece o papel da Educação Física para o desenvolvimento humano pleno, sendo uma importante ferramenta para o aprendizado, integração social e exercício da cidadania.

BNCC na Prática: do currículo à sala de aula

Deixe seu comentário

4 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Avatar Pedro disse:

    Ótimo material. De parabéns, faz mais.

    1. Avatar Impulsiona disse:

      Valeu, Pedro! Toda semana vamos lançar conteúdo novo por aqui!

  2. Avatar Robson Rocha disse:

    Muito bom o material. Parabéns!

    1. Avatar Impulsiona disse:

      Valeu, Robson!