Cobertura

Atividade física das crianças ainda não voltou ao patamar pré-Covid

Pesquisa no Reino Unido concluiu que as crianças não voltaram a praticar atividades no mesmo grau de antes da pandemia

Com a pandemia da Covid-19, muitas escolas, clubes e outros locais voltados à prática esportiva tiveram suas portas fechadas. Sendo assim, ocorreu uma queda no nível de atividade física das crianças, que tinham nesses lugares a oportunidade de se manterem ativas.

Porém, mesmo com a reabertura desses espaços, a questão permaneceu. Uma pesquisa realizada no Reino Unido mediu os níveis de atividade física de crianças de 10 a 11 anos e de seus pais entre maio e dezembro de 2021 e comparou com dados de crianças das mesmas escolas e faixas etárias de três anos antes. O resultado mostrou que o grau de atividade física não retornou ao patamar pré-pandemia.

Como funcionou o estudo

Os dados foram coletados através de um acelerômetro, dispositivo usado no quadril para o tempo médio gasto em atividade física moderada a vigorosa todos os dias. A recomendação médica no país é que crianças e jovens realizem uma hora desse tipo de atividade física todos os dias.

Em comparação com os dados anteriores à pandemia, as crianças gastaram, em média, cerca de oito minutos a menos de atividade física moderada a vigorosa por dia, uma queda de 13%. Além disso, elas estão mais sedentárias. O tempo sedentário médio, aquele de pouco ou nenhum movimento, aumentou de quase 30 minutos por dia durante a semana e 15 minutos nos finais de semana.

Já o resultado dos níveis de atividade física dos pais das crianças mostrou que não houve diferença entre o grupo analisado pré-Covid. Nesse caso, qualquer mudança na prática de atividades dos responsáveis durante o isolamento retornou para níveis normais.  

Novos desafios

Os impactos da pandemia na vida das crianças podem ser duradouros. Tendo em vista os benefícios que a prática de atividades físicas oferecem, é necessário um trabalho em conjunto das famílias e escola para que elas se tornem ativas novamente. A Educação Física tem grande potencial para resgatar a saúde e o bem-estar dos alunos, levando mais movimento para as escolas.

Estudo completo disponível em inglês AQUI.

Para explicar de forma criativa o sedentarismo nas suas aulas, baixe AQUI o PDF do Impulsiona!

6
Deixe um comentário

avatar
5 Todas os comentários
1 Todas as respostas
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Resposta com mais engajamento
  Inscrever-se  
Mais novos Mais antigos Mais votados
Notificação
Luciano
Visitante
Luciano

Com a pandemia, as atividades físicas ficaram restritas ao âmbito doméstico. A vida se tornou mais sedentária com esse “novo normal”. É necessária uma conscientização de que a atividade física é um “remédio” fundamental para o combate das doenças, bem como, dos sintomas pós-covid.

Julio
Visitante
Julio

Pois é, e tem professores de E.F que querem ministrar apenas aulas teóricas, deixando de lado as vivências práticas ou pouco levam as crianças para uma atividade prática.

Cláudia Rabelo
Visitante
Cláudia Rabelo

muito relevante esta matéria

Vanderléa Pereira Bernardino Meres
Visitante
Vanderléa Pereira Bernardino Meres

Olá, falando sobre o retorno as aulas, os estudantes levaram um tempo considerável para recuperar os níveis correspondentes a sua faixa etária de idade. É importante evidenciar que a sua concentração, atenção e emocional, para execução das práticas e normativas presentes no ambiente escolar, também foram comprometidas, por exemplo presença de crises de ansiedade.

Eu acredito que temos que ter um olhar diferenciado, sem perder a humanidade e competência, a fim de alcançar o desenvolvimento (motor,cognitivo,emocional) para os mesmos.

Nialysson Luiz Batista
Visitante
Nialysson Luiz Batista

Preocupante esse relatório, some isso ao uso desregrado de aparelhos eletrônicos, uma alimentação se nutrição adequada e no caso dos em vulnerabilidade opções restritas a espaços físicos para atividades físicas. Isso falo da realidade de minha região.

Josélia
Visitante
Josélia

Gosto bastante do curso, pois facilita a conversão com os demais colegas.

Mais na cobertura