Cobertura

Esporte Orientação: os benefícios de uma modalidade inovadora e interdisciplinar na escola

Marion Costa relata suas experiências como professora e as vantagens de ensinar orientação para alunos de todas as idades

Inovar nas aulas de educação física é sempre uma ótima maneira de engajar os alunos, e incluir o Esporte Orientação nos planos de aula pode ir muito além.  Nesta modalidade interdisciplinar, o aluno coloca em prática conceitos que aprendeu dentro de sala de aula: matemática, geografia e português.  A orientação ou corrida de orientação propõe contato direto com a natureza, e é uma excelente forma de exercitar o corpo e a mente.

Os benefícios deste esporte ultrapassam os limites da quadra, e desde que teve o primeiro contato com a orientação, Marion Costa se tornou uma referência na modalidade. Atleta e professora, ela aproveita seus conhecimentos, e os compartilha não só com outros professores, como também em sala com seus alunos.

+Inscreva-se no curso Esporte Orientação!

“É um esporte moderno e transdisciplinar. Ele é um meio que você usa conceitos de diversas disciplinas como geografia, matemática e educação física. Dentro da escola essa modalidade pode ser revolucionária. É um esporte que trabalha o lado intelectual, porque você vai usar conceitos de diversas disciplinas, e ainda colocar em prática atitudes importantes, como saber fazer escolhas e autonomia. Tem várias características que fazem com que proporcionam uma educação integral.”

Para atletas profissionais, como Marion, a orientação demanda muito treinamento intelectual e físico. Por ser praticado natureza, o corpo precisa estar ambientado e adaptado para correr em diferentes terrenos e situações climáticas. Já na educação física, a modalidade pode ser ensinada de forma muito mais simples e não necessariamente em um ambiente aberto.

Na escola não é preciso focar no treinamento, e sim na questão intelectual. O português e a matemática são as principais disciplinas, e  o esporte orientação pode ser um complemento. Na prática desta modalidade se utiliza a matemática o tempo todo para seguir uma sequência, trabalhar com escala e conferir códigos. No caso do português e geografia, é preciso ler mapas e entender o relevo.

Desde de 2003 atuando em escolas e com diversos segmentos de ensino, Marion contou que sempre ensinou a orientação de forma espiral. Com os mais novos, ela tenta passar os conceitos de forma lúdica, e aos poucos, vai evoluindo, de acordo com os conhecimentos adquiridos pelo aluno no decorrer de sua vida escolar. Para a professora, é importante crescer junto com a criança e junto com os ensinamentos que a escola está transmitindo.

crianças-pátio-professora-esporte-aula

Marion dando instruções para seus alunos (Arquivo Pessoal)

Como citamos anteriormente, incluir o esporte orientação nas aulas de educação física é uma forma de inovar no planejamento. Segunda Marion, pode haver uma resistência no início, mas ela acredita que propor um ambiente participativo entre os alunos é a solução para criar uma brecha.

“Quando você apresenta um esporte ou uma modalidade diferente das mais tradicionais, você tem uma carta na manga. A educação física escolar ainda é muito tradicional. Muitos professores ainda se limitam. Mas existe um grupo novo, e tem a demanda pela inovação e implementação de conteúdos da BNCC. Eu, como professora, notei que existe uma certa resistência. Não posso falar que todos os alunos aceitam. Eles estão costumados a aprender sempre a mesma coisa e acham que o que estamos ensinando de novo não é legal. Depois que você mostra, e ele entende que aquilo faz parte de um contexto maior, ele se abre para o novo.

Meninas praticando Esporte Orientação (Arquivo Pessoal)

Outro benefício importante do esporte orientação na escola, é que esta modalidade pode ser usada como gatilho para falar sobre meio ambiente e sustentabilidade.

“Este esporte foi basicamente criado para ser praticado na natureza – o que não quer dizer que você não possa praticar em escolas ou na cidade. Para colocar qualquer ser humano para fazer esportes na natureza, é preciso de aclimatação. Principalmente nossas crianças urbanas. Existem crianças que nunca estiveram em contato com bosques ou florestas e não entendem porque não sujar o ambiente. Vivenciar o esporte nesses ambientes faz com que você entenda a razão de não fazer isso. Este esporte faz com que você dê valor ao seu campo de jogo.”

Deixe seu comentário

1 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Ahrammis Aleixo da Fonseca disse:

    Sensacional. Foi muito bom.
    Muita dedicação e eficiência.