Cobertura

Conheça as 10 tochas Olímpicas mais criativas da história

Fizemos uma lista com as versões mais marcantes da tocha Olímpica para você mostrar aos seus alunos

A tocha Olímpica é um dos principais símbolos dos Jogos. Utilizada pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Berlim em 1936, ela remete à Grécia Antiga, local de origem das Olimpíadas, e carrega a chama que representa o elo entre os Jogos da Antiguidade e os da Era Moderna. 

Inicialmente, a tocha era feita de aço, um material que a tornava bastante pesada. Com o passar do tempo, o alumínio passou a ser a principal matéria-prima. Outro aspecto que chama a atenção é que o design da tocha reflete a cultura do país anfitrião dos Jogos. Esse ano, a tocha das Olimpíadas de Tóquio contém cinco chamas separadas que formam uma flor de cerejeira (sakura), árvore símbolo do Japão. Ela foi feita de alumínio reciclado usado na construção de habitações temporárias para vítimas do grande terremoto que atingiu o Japão em 2011. 

Seja pelo design inovador ou pelos significados que carregam, as tochas Olímpicas costumam dar um show de criatividade. Vamos conhecer algumas delas? Separamos 10 versões que marcaram a história.

1. Cidade do México 1968

A tocha dos Jogos Olímpicos da Cidade do México marcou a primeira vez em que a pira foi acesa por uma mulher, Enriqueta Basilio (1948-2019), atleta de pista especializada na corrida de 80 metros com barreiras. O revezamento, que simbolizava a ligação entre as civilizações mediterrânea e norte-americana, seguiu a rota feita por Cristóvão Colombo em sua primeira viagem ao Novo Mundo. O design da tocha conta com ranhuras verticais no corpo e, no topo, as palavras “México 68” esculpidas no metal.

Enriqueta Basílio, primeira mulher a acender a pira olímpica, nos Jogos Olímpicos da Cidade do México

Enriqueta Basílio, primeira mulher a acender a pira olímpica, nos Jogos Olímpicos da Cidade do México

2. Montreal 1976

Com formato semelhante ao de um microfone, a tocha dos Jogos Olímpicos de Montreal, feita principalmente de alumínio, pesava 836 gramas e contou com o tradicional azeite de oliva como combustível, remetendo à Grécia Antiga. A chama foi transportada – de Atenas a Otawa – via satélite por um feixe de raio laser! Pela primeira vez, duas pessoas juntas acenderam a pira Olímpica, Sandra Henderson, de Toronto, e Stephane Préfontaine, de Montreal, representando as comunidades anglófonas (que falam inglês) e francófonas (que falam francês), em uma mensagem de união do povo canadense.

Sandra Henderson e Stéphane Prefontaine acendem juntos a pira Olímpica no Estádio de Montreal

Sandra Henderson e Stéphane Prefontaine acendem juntos a pira Olímpica no Estádio de Montreal

3. Albertville 1992

A tocha dos Jogos Olímpicos de Inverno de Albertville, na França, feita de aço inoxidável, marcou o começo da era moderna de design de tochas. Seu formato lembra o chifre de um touro, e medindo apenas 41 centímetros de comprimento, foi uma das tochas mais curtas da história. Criada por Philippe Starck, também responsável pela confecção da pira, ela continha o nome dos jogos em francês “XVIes Jeux Olympiques d’hiver 1992” e os cinco aros Olímpicos.

Michel Platini, participante olímpico no futebol (1976), e François-Cyrille Grange, esquiador alpino francês, foram os últimos portadores da tocha dos Jogos Olímpicos de Inverno de Albertville

Michel Platini, participante olímpico no futebol (1976), e François-Cyrille Grange, esquiador alpino francês, foram os últimos portadores da tocha dos Jogos Olímpicos de Inverno de Albertville

4. Barcelona 1992

Segundo o designer responsável, Andre Ricard, a tocha Olímpica dos Jogos de Barcelona foi criada com o propósito de se diferenciar das demais e conferir um caráter mediterrâneo. A tocha é assimétrica com o intuito de manter seu eixo simbolicamente virado para a direção da cidade de Barcelona. A pira foi acesa de um modo inusitado, pelo arqueiro Paralímpico, Antonio Rebollo, que disparou uma flecha acesa com a chama Olímpica.

O arqueiro Antonio Rebollo se prepara para acender a pira com a chama Olímpica

O arqueiro Antonio Rebollo se prepara para acender a pira com a chama Olímpica

5. Lillehammer 1994

A tocha das Olimpíadas de Inverno de Lillehammer, na Noruega, foi feita com uma estrutura fina e flexível para resistir aos ventos na descida de esqui realizada por Stein Gruben na cerimônia de abertura. No ano de 1994, pela primeira vez os Jogos Olímpicos de Inverno e Verão passaram a ser realizados em anos alternados, a cada dois anos. Além de esquiar, a tocha também saltou de paraquedas, revezada entre dois saltadores, sobre a cidade alemã de Grefrath. Essa tocha foi composta por uma alça longa de madeira, simbolizando a tradição da Noruega, e o alumínio polido da lâmina correspondia à modernidade do lugar.

Stein Gruben se prepara para saltar de esqui na cerimônia de abertura dos Jogos de Inverno de 1994

Stein Gruben se prepara para saltar de esqui na cerimônia de abertura dos Jogos de Inverno de 1994

6. Nagano 1998

A tocha dos Jogos de Nagano, no Japão, utilizou o gás de propano como combustível, o que a tornou mais ecológica. Levada ao estádio pelo ativista Chris Moon, que faz campanha contra minas terrestres, é inspirada em uma tradicional tocha japonesa chamada Taimatsu, com alguns toques de modernidade. Ela foi feita de alumínio com uma forma hexagonal correspondendo a cristais de gelo e com a cor prata, característica do inverno. No corpo da tocha foi gravado o nome dos Jogos “Nagano 1998, XVIII Jogos Olímpicos de Inverno, Nagano 1998” e a corda amarela que envolve sua estrutura é um elemento tradicional do design japonês.

Mitsuru Kawai, atual membro executivo da Toyota carregando a tocha dos Jogos Olímpicos de 1998

Mitsuru Kawai, atual membro executivo da Toyota carregando a tocha dos Jogos Olímpicos de 1998

7. Sidney 2000

A tocha dos Jogos de Sidney, em 2000, foi inspirada no Teatro de Sidney, o edifício mais famoso da Austrália (foto abaixo).”. Seu formato remete a um bumerangue, e a cor azul de sua estrutura faz alusão ao Oceano Pacífico. Ela é feita de três camadas de diferentes materiais que representam terra, água e fogo e possui o emblema dos Jogos na parte superior. Durante o revezamento, não faltaram  meios de transporte criativos. A tocha viajou para o espaço e esteve debaixo d’água ainda acesa e visível, graças a um sistema de chama queimando a 2000ºC. As curiosidades não param por aí, foi atribuído um sistema de segurança que fazia com que a tocha apagasse automaticamente caso fosse virada de cabeça para baixo ou deitada no chão por mais de 10 segundos.

Momento em que a tocha "mergulhou" pela primeira vez / Teatro de Sidney que inspirou o design da tocha Olímpica dos Jogos Olímpicos de 2000

Momento em que a tocha “mergulhou” pela primeira vez / Teatro de Sidney que inspirou o design da tocha Olímpica dos Jogos Olímpicos de 2000

8. Atenas 2004

A tocha dos Jogos de Atenas contou com um revezamento “global” para celebrar o retorno dos Jogos Olímpicos ao seu país de origem. Ela viajou os cinco continentes e passou por todas as cidades-sede dos Jogos desde 1896. Feita de magnésio e madeira, a tocha é inspirada  em uma uma folha de oliveira, remetendo às raízes antigas dos Jogos. A intenção do design foi transmitir a ideia de continuação da chama mantendo uma espécie de fluxo até a mão do portador da tocha.

Nikolaos Kaklamanakis, desportista grego, foi o último portador da tocha Olímpica dos Jogos de Atenas

Nikolaos Kaklamanakis, desportista grego, foi o último portador da tocha Olímpica dos Jogos de Atenas

9. Sochi 2014

A tocha dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, tem o design referente a uma pena de uma fênix, o pássaro de fogo, ligada à sorte e à fortuna segundo o folclore russo. As cores prata e vermelho usadas na estrutura remetem, respectivamente, ao gelo e aos uniformes das equipes esportivas russas. Durante o revezamento, pela primeira vez a tocha atingiu o Polo Norte geográfico graças a um quebrador de gelo e foi levada ao espaço aberto pelos cosmonautas russos Oleg Kotov e Sergei Ryazansky, que tiveram o privilégio de sair da Estação Espacial Internacional (ISS) com ela. A tocha também mergulhou a 13 metros de profundidade no Lago Baikal, na Sibéria, considerado o lago mais profundo do mundo. Ela continuou acesa graças a um dispositivo especial, semelhante àqueles usados como sinalizadores próprios para o mar.

Os cosmonautas russos, Oleg Kotov e Sergei Ryazansky, antes de embarcar para o espaço com a tocha dos Jogos de Inverno de Sochi 2014

Os cosmonautas russos, Oleg Kotov e Sergei Ryazansky, antes de embarcar para o espaço com a tocha dos Jogos de Inverno de Sochi 2014

10. Rio 2016

Por último, mas não menos importante, a tocha dos Jogos Olímpicos do Rio, que viajou as cinco regiões do Brasil em seu revezamento. Criada com o objetivo de refletir a união entre a chama Olímpica e o calor do povo brasileiro, seu design revela elementos relacionados à cultura do país, às cores da bandeira nacional e ainda faz referência aos mosaicos do calçadão de Copacabana, importante atração turística carioca. O acendimento da tocha acontecia quando liberados uma mistura de butano e propano, embelezando as cores da chama. Feita de alumínio reciclado, até sua textura foi repleta de simbolismo, remetendo aos três valores Olímpicos: excelência, amizade e respeito.

O ex-maratonista Vanderlei Cordeiro carrega a tocha durante o revezamento em frente à Catedral de Brasília

O ex-maratonista Vanderlei Cordeiro carrega a tocha durante o revezamento em frente à Catedral de Brasília

 

E aí, curtiu conhecer diferentes tochas Olímpicas?

Que tal levar um pouco dessa experiência para dentro da sala de aula? No desafio do Revezamento da Tocha, você e seus alunos devem criar uma versão própria da tocha, usando materiais recicláveis e alternativos.

Use e abuse da criatividade e concorra a prêmios como equipamentos esportivos, celulares smartphone e palestras com atletas Olímpicos. Participe!

28
Deixe um comentário

avatar
26 Todas os comentários
2 Todas as respostas
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Resposta com mais engajamento
  Inscrever-se  
Mais novos Mais antigos Mais votados
Notificação
Isabelly Torres
Visitante
Isabelly Torres

Lindas tochas

Nayomi
Visitante
Nayomi

Mt interessante só não achei a de 2020

Cláudia Maria da Cunha
Visitante
Cláudia Maria da Cunha

Parabéns pela pesquisa, gosto de saber as histórias que envolvem as ações Quanto a Tocha Olímpica mais interessante para mim, fico com a de Atenas 2004, pela homenagem aos”louros” conferidos aos vitoriosos

stela
Visitante
stela

Boa noite! Excelente material para ser apresentado aos alunos. Irão adorar. Parabens EQUIPE IMPULSIONA. Sempre proporcionando temas interesssantes a desenvolver nas aulas. amei.

Stela Scarance

Antonia Maria Rodrigues Loiola
Membro
Antonia Maria Rodrigues Loiola

Bom dia!
o impulsiona é tão criativo quanto as tochas olímpicas, vocês são de +. Louvo a Deus pela existência do impulsiona, sempre nos atualizando. Gostei de todas as tochas, muita criatividade, mas como uma Brasileira amante do meu país, fico com a tocha Rio 2016.

José Cicero Costa Gomes
Visitante
José Cicero Costa Gomes

bom trabalho,parabéns

Ninrodes de Oliveira
Visitante
Ninrodes de Oliveira

Muito bom meu amigo. Parabens pela pesquisa!! Um abraço

ronaldo
Visitante
ronaldo

Muito interessante. Parabéns.

Daniel Victor dos Santos
Membro
Daniel Victor dos Santos

Parabéns pelo trabalho de pesquisa e divulgação de vcs. Eu achei a do Rio a mais bonita.

JOSIANE SILVÉRIO
Visitante
JOSIANE SILVÉRIO

Com todo o respeito as demais, a do Brasil é a mais linda.

Fernanda Do Prado Alves Almeida
Visitante
Fernanda Do Prado Alves Almeida

Show parabéns a todos envolvidos

Laércio
Visitante
Laércio

Belo e interessante artigo! Gostei de todas, em especial a de Sochi 2014.

Sonia
Visitante
Sonia

Amei

Rosana Pereira de Araújo
Visitante
Rosana Pereira de Araújo

Amei todas as, mas gostei a de Nagano, Sidney e do Rio. Todas muitas criativas e lindas.

José Maria
Visitante
José Maria

Todas são bonitas a de Sidney gostei muito da criatividade deles mas a minha preferida é a do Rio.

SANDRA CURCINO
Membro
SANDRA CURCINO

Todas lindas com contextos muito relevantes.

Marceli C M Santiago
Visitante
Marceli C M Santiago

Maravilhosas!!!

Patricia Pessôa
Visitante
Patricia Pessôa

A do RIO 2016 é linda…eu tenho…fui condutora da tocha

GLENDA BARRETO DOS SANTOS
Visitante
GLENDA BARRETO DOS SANTOS

gostei de todas, a do Rio e esplêndida.

Rosângela Aparecida Araújo Medeiros.
Visitante
Rosângela Aparecida Araújo Medeiros.

Gostei de todas.
Muita criatividade.

Veronica Tavares
Visitante
Veronica Tavares

Muita emoção em falar sobre a Tocha Olímpica, tive o prazer de ser condutora em Arraial do Cabo. Sempre desenvolvi projetos sobre os jogos olímpicos.

Crys
Visitante
Crys

Gosto muito da de Sochi. Adorei a criatividade e a alusão a Fênix

Mara machado
Visitante
Mara machado

Amei todas….fico com a opção Nagano1998e Rio 2016 sem dúvidas. .

Mara machado
Visitante
Mara machado

Ahahaaaaaa….showww….arrasaram….Deslumbrante….

Genivaldo Guimarães Rodrigues
Visitante
Genivaldo Guimarães Rodrigues

Ótimo artigo! Importante levantamento acerca deste símbolo marcante nas Olimpíadas.

José Claudio Miranda
Visitante
José Claudio Miranda

Com certeza a da Rio 2016 é a minha preferida, fica aqui em cima da minha bancada de trabalho, onde posso apreciá-la todos os dias…

Diego Dias Maldonado
Visitante
Diego Dias Maldonado

Barcelona

jose genilson andrade de jesus
Visitante
jose genilson andrade de jesus

Rio 2016…….