Histórias Inspiradoras

Reduzir desigualdades de acesso ao esporte na infância pode gerar economia de mais de R$75 bilhões, afirma pesquisa americana

Fatores socioeconômicos impactam nível de atividade física na juventude, e desigualdade traz prejuízos financeiros nas áreas da saúde e produtividade

Antes de ler a matéria, um aviso importante: os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Paris 2024 estão chegando! Preparamos um site com mais de 50 conteúdos gratuitos para as suas aulas. Acesse: https://impulsiona.org.br/paris2024/

Crianças e adolescentes de grupos socioeconômicos mais baixos praticam de 10 a 15% menos atividade física do que aqueles de grupos socioeconômicos mais altos. Essa desigualdade no acesso ao esporte gera um prejuízo de mais de R$75 bilhões na economia americana.

Essa foi a conclusão de uma pesquisa publicada em março de 2024 na revista acadêmica JAMA Health Forum, conduzida pelo Departamento de Saúde Pública da Universidade da Cidade de Nova Iorque. Foram analisados dados de crianças de 6 a 17 anos de todo o país. 

Os resultados mostram que, caso as diferenças nos níveis de atividade física causadas por questões socioeconômicas (como gênero e poder aquisitivo) fossem eliminadas, os EUA poderiam economizar R$35 bilhões em gastos com saúde pública e R$40 bilhões com perdas de produtividade. 

O modelo utilizado simulou as atividades físicas diárias de cada jovem, seu crescimento, o impacto da atividade física em sua saúde, as diferentes condições médicas crônicas que poderiam surgir e os custos resultantes ao longo do tempo. Experimentos de simulação mostraram o que poderia acontecer se os jovens mantivessem seu nível atual de atividade física, onde existem as disparidades socioeconômicas e, em seguida, o que aconteceria se tais disparidades fossem reduzidas em diferentes graus. 

Por exemplo: eliminar disparidades socioeconômicas poderia ajudar a enfrentar a epidemia de obesidade nos EUA. A prevalência de obesidade e sobrepeso poderia diminuir em 0,83%. Isso significaria prevenir 101 mil casos de doenças relacionadas ao peso, incluindo derrame, eventos de doença coronariana, diabetes tipo 2 ou câncer, e todos os gastos financeiros para os respectivos tratamentos.

Segundo Tiffany Powell-Wiley, uma das autoras da pesquisa, esse é um dos primeiros estudos que mostram os benefícios de se reduzir as diferenças socioeconômicas no acesso à atividade física entre as crianças. “Isso mostra que investir em programas de esportes na infância pode beneficiar economicamente a todos”, explica ela. 

Acesse o estudo na íntegra AQUI.

E você, já percebeu o impacto de questões socioeconômicas no acesso ao esporte na sua região? Comente!

1
Deixe um comentário

avatar
1 Todas os comentários
0 Todas as respostas
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Resposta com mais engajamento
  Inscrever-se  
Mais novos Mais antigos Mais votados
Notificação
Carlison
Visitante
Carlison

Excelente matéria. Pena que no Brasil,.os investimentos na aérea do esporte cada ano sofrendo perdas.