Cobertura

Conheça as jogadoras brasileiras que fizeram história nas quadras de basquete

Saiba mais sobre o basquete feminino e as jogadoras que marcaram a história do esporte da bola laranja aqui no Brasil

São muitas as jogadoras brasileiras de basquete que dão um show dentro e fora das quadras. O basquete brasileiro já revelou grandes nomes pro mundo, e entre as mulheres não é diferente. Por isso, por aqui você vai conhecer um pouco mais sobre o basquete feminino e também as jogadoras que marcaram a história do esporte da bola laranja aqui no país.

Basquete feminino no Brasil

Você sabia que, quando o basquete foi trazido ao Brasil, lá em 1896, o primeiro grupo a comprar a ideia do esporte foi justamente o das mulheres? Pois é. E, apesar dos homens terem ganhado mais destaque no desenvolvimento do esporte no país, as mulheres tiveram uma grande contribuição pro sucesso.

Desde a década de 40, as mulheres já arrebentavam em quadra. Em 1946, foi criada a primeira Seleção de Basquete Feminino, que trouxe pra casa a medalha de prata no primeiro Campeonato Sul-Americano. Já em 1953, fizeram a primeira participação em um Campeonato Mundial. Em 1971, a primeira medalha no torneio, de bronze. E, em 1992, a primeira participação em Jogos Olímpicos, um histórico 7º lugar, e a presença em todas as edições daí em diante.

Desde a primeira conquista até hoje, foram várias as medalhas no peito das brasileiras. Sul-Americano, Copa América, Pan-Americano, Mundial, Jogos Olímpicos… São campanhas marcantes que revelaram grandes nomes do basquete feminino pros brasileiros. Afinal, quem nunca ouviu falar de Maria Helena Cardoso, Hortência, Magic Paula, Marta Sobral, Janeth e o histórico ouro no Pan-Americano de Havana, em 1991? Ou, ainda, do ouro no Mundial de 1994 e a prata olímpica dois anos depois, na segunda participação nos Jogos.

Se liga nas jogadoras brasileiras de respeito

Agora, chegou a vez de saber mais sobre essas lendas do esporte feminino, reconhecidas no Brasil e no mundo. Vamos começar pelas pioneiras e maiores responsáveis pelo desenvolvimento do esporte por aqui.

Maria Helena Cardoso

Uma lenda do esporte dentro e fora das quatro linhas. Feito de poucas, construiu uma carreira vitoriosa como jogadora e treinadora. Trouxe o bronze no Mundial de 1971 e o ouro no Pan-Americano de 1971, além de medalhas de prata nas edições do Pan de 1959 e 1963. Não contente, depois de se aposentar, ela seguiu carreira como treinadora. Na Seleção, conquistou a prata no Pan de 1987 e o ouro no Pan de 1991, com uma equipe cheia de grandes nomes, além de classificar a equipe pros Jogos Olímpicos no ano seguinte.

Hortência

Hortência Marcari dispensa apresentações. Afinal, rainha é rainha, né? Maior cestinha da Seleção Feminina de Basquete e nome no seleto Hall da Fama do Basquete Feminino, é uma das maiores atletas femininas de todos os tempos. Junto de Paula e outros nomes de sucesso, comandou a lendária equipe que conquistou o Pan de 1991 e o Mundial de 1994, e a prata nos Jogos Olímpicos de 1996. Com um currículo desses, não à toa é a jogadora mais conhecida do basquete feminino no Brasil, ajudando a popularizar, e muito, o esporte por aqui. Reverenciamos!

Marta Sobral

Conhecida pelos seus arremessos de longa distância, além de alguns dos títulos que já falamos, a pivô também fez parte da conquista do bronze em Sydney, no ano 2000. Duas medalhas olímpicas? Demais, não é?!

Magic Paula

Paula, ou Magic Paula pros amantes do basquete, é outra lenda do esporte. Maior rival e ao mesmo tempo parceira de Hortência, até hoje os fãs discutem qual das duas foi a melhor. Sucesso nos clubes e na seleção, é a jogadora brasileira que mais disputou Mundiais (6 edições) e com mais jogos pela seleção, além de segunda maior cestinha. Ouro no Pan de 1991 e no mundial de 1994, e prata nos Jogos Olímpicos de 1996, Magic Paula é um nome marcante no esporte brasileiro, estando no Hall da Fama do Basquete Feminino.

Brasileiras que jogaram na WNBA

A criação da WNBA, em 1996, contribuiu muito pro surgimento de novos nomes no basquete feminino brasileiro. São diversas as jogadoras que já passaram pela liga americana.

Janeth Arcain

Outra jogadora da melhor geração do nosso basquete feminino, e terceira maior pontuadora da seleção, Janeth fez história também na WNBA. Defendendo as cores do Houston Comets, a armadora foi tetracampeã com a franquia, que faturou as quatro primeiras edições da liga em sequência. Foi também a primeira jogadora brasileira a disputar a WNBA.

Iziane Marques

Com 20 anos, a ala-armadora chegou à WNBA em 2002, no Miami Sol, sendo uma das jogadoras mais novas da liga. Ao todo, Iziane passou 11 anos na liga e defendeu 6 times. Seu maior sucesso foi em Atlanta, onde chegou a duas finais da WNBA com o Dreams, em 2010 e 2011.

Érika de Souza

Na sua primeira temporada na WNBA, pelo Los Angeles Sparks, Érika já foi campeã. Anos mais tarde, no Atlanta Dream, foi três vezes pro All-Star Game e esteve entre as melhores jogadoras de defesa, além de três vice-campeonatos da liga. Sem dúvida uma das melhores brasileiras que já passaram por lá.

Alessandra Santos

Com grandes conquistas pela Seleção Brasileira, Alessandra Santos também esteve em algumas temporadas na liga americana. De 1998 a 2001 na WNBA, a pivô jogou pelo Washington MysticsIndiana Fever Seattle Storm.

Leila Sobral

Irmã de Marta Sobral, com quem chegou a jogar junto na seleção, Leila passou muito rápido pela liga. Foram apenas 15 jogos em 1998, pelo Washington Mystics, e pouco tempo em quadra, mas que valem entrar nessa lista.

Damiris Dantas

Grave esse nome. Damiris é a única brasileira na WNBA atualmente! Selecionada no draft de 2012, pelo Minnesota Lynx, chegou a jogar também pelo Atlanta Dream voltou pro Lynx em 2019. Desde então vem conquistando bons resultados e ainda tem muitos anos pela frente. Ficaremos de olho…

Cíntia dos Santos

Escolhida pelo Orlando Miracle no draft de 2000, Cíntia foi titular em quase todos os jogos da primeira temporada, mas acabou perdendo espaço nos anos seguintes. Ficou na liga até 2002.

Clarissa dos Santos

Uma das melhores jogadoras brasileiras atuais, Clarissa disputou duas temporadas pelo Chicago Sky, em 2015 e 2016. Ao todo foram 51 jogos, ajudando a equipe a chegar nos playoffs em 2016.

Helen Luz

De 2001 a 2003, Helen Luz disputou 3 temporadas pelo Mystics. Querida pelos torcedores, a armadora era uma especialista do perímetro, o espaço atrás da linha dos três pontos.

Adriana Moisés

Com 5 participações em Jogos Olímpicos pelo Brasil, Adriana esteve por apenas três temporadas na WNBA.

Em 2001, 2002 e 2007, ela disputou a liga pelo Phoenix Mercury, com direito a uma passagem relâmpago no último ano: só quatro jogos.

Cláudia das Neves

Uma das primeiras brasileiras, Cláudia das Neves esteve na WNBA de 1999 a 2002. Foram três temporadas no Detroit Shock e uma, com pouco espaço, no Miami Sol.

Kelly Santos

Escolhida pelo Shock no draft de 2001, ficou apenas duas temporadas na franquia e saiu da liga. Anos mais tarde, em 2008, voltou pra mais uma temporada no Seattle Storm.

Nádia Colhado

Pelo Atlanta Dream, Nádia disputou as temporadas de 2014 e 2015, com pouco tempo em quadra. Depois, em 2017, voltou pro Indiana Fever, mas foi novamente dispensada depois de apenas cinco jogos.

E aí, gostou de conhecer as brasileiras que fizeram história no basquete?

1
Deixe um comentário

avatar
1 Todas os comentários
0 Todas as respostas
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Resposta com mais engajamento
  Inscrever-se  
Mais novos Mais antigos Mais votados
Notificação
Mario Georgetti
Membro
Mario Georgetti

Com certeza as mulheres brasileiras sempre representaram com muita garra e dedicação a seleção brasileira, além da atuação nos clubes e pela WNBA. Certamente Heleninha foi a precursora, depois veio a geração de Hortência, Paula e Janeth que nos proporcionaram os ,melhores resultados internacionais. Viva as Mulheres no Esporte!!